quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Valeu teu pique, estrela cadente.. até nunca mais ♪

(...)Certa noite, uma estrela cadente passou pelo meu céu e parou.
Me mostrou lugares, sabores, cores e histórias que nunca vira antes.
Me inebriei com o seu encanto, sua beleza rara.
Quase acreditei em tudo que ela me disse, e me entreguei. Mas estrelas cadentes se vão...
E ela partiu no seu pique, sem dizer um "adeus".
Mas como, mas por que, mas como?
Hoje meu céu é turvo; depois desta estrela cadente, nenhuma estrela foi capaz de me encantar, e de dar vida ao meu céu.

...
Vento de maio - Lô Borges

Nenhum comentário:

Postar um comentário